Guia de Práticas Mínimas de Gerenciamento de Projetos para o Setor Público

Por:Mídias
Gestão de Projetos | Notícia

26

Jul 2017

Desde a criação do PMDay, pela primeira vez o PMIRS focou no tema gerenciamento de projetos no setor público. Na ultima edição do evento, que aconteceu no dia 24 de agosto de 2016, em Porto Alegre, mais de 200 pessoas ouviram especialistas em áreas afins, como o diretor do grupo PM21, Sérgio Marangoni, e o Diretor Executivo da Agenda 2020, Ronald Krummenauer, cases de sucesso, como o da Prefeitura de Porto Alegre, além de conhecer, em primeira mão, o estudo realizado por um grupo de voluntários do capítulo, membros do Conselho Consultivo, que apontou práticas mínimas sugeridas para projetos realizados no setor público.

O ex-Presidente e atual VP de Marketing e Relações Institucionais do PMIRS, Marco Kappel Ribeiro, foi o coordenador desse grupo e fez uma apresentação sobre o resultado do trabalho, entregue em formato de livreto à plateia do PMDay Setor Público. Segundo Kappel, buscou-se ter um olhar mais estratégico e aplicável tanto para a esfera estadual como municipal. Uma das referências para o trabalho foi o Guia de Gerenciamento de Projetos Organizacional (OPM), editado pelo PMI, que deve ser considerado como elemento referencial no esforço de garantir o alinhamento de todos os projetos com os objetivos estratégicos do Estado. Também foi considerado a extensão do PMBOK voltada ao setor público, publicada há dez anos. Nessa versão, estão detalhadas questões específicas para esse tipo de projeto, que devem receber atenção e distinguem projetos públicos de privados. Algumas delas são que os projetos públicos são financiados pelos cidadãos, têm que gerar benefícios para a sociedade, exigem prestação de contas para a comunidade e estão sujeitos a um maior número de restrições legais.

Diante dessas referências e do acompanhamento que o PMIRS vem fazendo de ações que demonstram esforço e aperfeiçoamento em diferentes esferas públicas, o capítulo propôs quatro itens básicos, ou pilares, que deveriam ser seguidos pela Administração Pública de forma a melhorar o atingimento dos resultados de projetos públicos no Rio Grande do Sul e seus Municípios. Nesse documento, resultado do trabalho e de discussões desse grupo de voluntários, foram citadas inúmeras atividades que deveriam estar associadas a cada um destes pilares, conforme mostrou o estudo realizado, e algumas foram elencadas a cada um desses quatro itens.

Esses pilares são: (1) um Escritório de Gerenciamento de Projetos Estratégico (EGPE); (2) a consolidação de uma estrutura de Governança; (3) o desenvolvimento e a consolidação de uma metodologia de gerenciamento de projetos organizacional envolvendo todos os órgãos de governo e baseado nas práticas e padrões existentes; e (4) o desenvolvimento das competências de gerenciamento de projetos em todas as áreas da administração.

Para acessar o guia de práticas mínimas de gerenciamento de projetos no setor público clique aqui: https://goo.gl/4JE7zr

*Fonte: PMI-RS


Compartilhe:

Avenida Prudente de Morais, 840 sala 404 Bairro Cidade Jardim BH/MG

++ 55 (31) 3267-0949

contato@saletto.com.br